Um olhar (que se pretende) diferente sobre as coisas, num mundo em que muitas vezes nos sujeitamos à ditadura do politicamente correto. Não diferente só por ser diferente mas por ser pertinente.
28 de Dezembro de 2017

Quero ser um partido político. Até lá pago IVA a 23%(!!!) em praticamente tudo o que consumo, com o rendimento que me sobra depois de pagos os outros impostos. Maravilha. Continuemos a votar neles e a levar bilhetinhos moralistas quando a taxa de abstenção é alta.

 

publicado por urreivainu às 11:50
20 de Dezembro de 2017

E graças a Deus por só acontecer uma vez por ano....

 

screencap10-81-752x501.png

 

 

 

publicado por urreivainu às 11:19
14 de Dezembro de 2017

Esta coisa da Raríssimas inspirou-me. Estou a pensar criar a Ainda Mais Raras - Associação de Doenças Tão Raras que Ninguém Tem.

De seguida é só envolver no projeto figuras públicas credíveis e angariar donativos. E depois ter um bom pacote salarial.

E isto não é enganar ninguém. Trata-se de uma associação de doenças tão raras que NINGUÉM tem. Exemplos:

- Síndrome do político que põe do bolso no erário público,

- Síndrome da pessoa distraída que passa para trás de outros nas filas do supermercado,

- Síndrome da pessoa com doença mental que insiste em entrar num transporte público só após todos os outros,

- Síndrome da pessoa que numa discussão admite frequentemente não ter razão e pede desculpa,

- Síndrome do Sportinguista que acha que o clube sofre derrotas por demérito próprio,

- Síndrome do Benfiquista que acha que o Eusébio não foi o melhor futebolista português de sempre,

- Síndrome do Trabalhador que acha que é mau trabalhador somente por culpa própria,

- Síndrome do Ciclista que se acha obrigado a cumprir o código da estrada,

- Síndrome do Funcionário Público que acha imoral não se reger pelas regras do emprego no privado,

- Síndrome do pai/mãe que acha que ir deixar/apanhar o filho à escola não lhe dá o direito de estacionar a viatura de qualquer maneira,

- Síndrome do médico que atende os pacientes à hora marcada,

- Síndrome do presidente de câmara poupado,

- Etc...

 

publicado por urreivainu às 16:23
23 de Novembro de 2017

Barra chateiam :)

 

1. Não ser obrigatório indicar a remuneração oferecida nos anúncios de emprego. É de uma total falta de transparência. Nos anúncios de emprego aliás, vale (quase) tudo. Cada um escreve o que quer. Não é obrigatório indicar o salário, o horário, a localização.... E parece que os nossos governantes andam a DORMIR nesta matéria. Um pequeno café ou mercearia tem que ter os preços afixados em todo o lado, livro de reclamações e não sei quantas obrigações. Para vender ou alugar a casa, tem que se indicar a certificação energética, para anunciar um emprego pode ser tudo dito oralmente na entrevista...

2. Os blogues que insistem em fazer artigos que mais não são do que publicidade disfarçada, não assinalada enquanto tal e com comentários moderados que censuram quem aponta isso. Título orelhudo, foto bonita e, vai-se a ver.... https://pplware.sapo.pt/truques-dicas/black-friday-aproveitar-os-descontos-no-estrangeiro/  Uma publicação ou um canal de TV são obrigados a identificar claramente o que é publicidade e o que é conteúdo, mas para os blogues parece que anda tudo a DORMIR e a fazer-nos de parvos. E xiu, não fazer alarde disso, Deus nos valha se os leitores começam a usar a cabeça e a pensar. 

3. Marcas todas dinâmicas nas promoções, cuidadas na imagem, que passam a vida a enviar-nos emails, sms e newsletters, e que depois, um cliente faz uma reclamação e não dão qualquer resposta. Este mês tive dois tristes episódios com duas marcas e até agora o silêncio como resposta. Da próxima vez que quiser reclamar da Cepsa ou do cartão Universo (o que é que me passou pela cabeça para querer lidar com estes tipos....) faço num fórum público para que toda a gente tenha conhecimento. Depois se quiserem respondam ou não. Exemplos de fóruns: http://portaldaqueixa.com/ , https://www.deco.proteste.pt/reclamar  Atualização: a Cepsa respondeu em Dezembro, cordialmente, à reclamação, por carta.

publicado por urreivainu às 16:22
08 de Setembro de 2017

Meti umas calças a lavar sem ver que levavam uma nota de 20 Euros no bolso. Devo estar preocupado?

 

https://zap.aeiou.pt/advogados-obrigados-denunciar-clientes-suspeitas-lavagem-dinheiro-173047

 

Pelo sim, pelo não, vou passar a ter mais cuidado...

publicado por urreivainu às 15:10
10 de Julho de 2017

para os anúncios a suplementos alimentares de cálcio, tome Paciêncitrim. Paciêcitrim, o suplemento para a manutenção da paciência!

paciencitrim2.jpg

 

publicado por urreivainu às 15:42
02 de Janeiro de 2017

Em Outubro do ano passado decidir aderir às plataformas UberCabify na sequência das imagens deploráveis transmitidas aquando da manifestação de taxistas. Não fui o único (conheço várias pessoas que o fizeram nessa altura). Aliás, correu tão bem ou tão mal que cancelaram as manifestações seguintes. Tendo experimentado os dois serviços (e até experimentei gratuitamente pois estão sempre com promoções e códigos de convite) devo dizer que fiquei fã e uso quando necessito. Praticamente deixei de andar de táxi. Fazendo um ponto de situação, pela minha experiência:

 

Ambos os serviços: Carros novos (1,2 anos) e bons, sempre carrinhas e impecávelmente limpos e climatizados. Já apanhei BMW Série 1, Volkswagen Passat, SEAT Leon ST e Peugeot 308 SW. O único carro mais antigo foi um Mercedes de gama média. Os motoristas, 95% das vezes muito simpáticos, sem nenhum incidente a registar. Nenhum dos serviços cobra a chamada nem bagagem na mala. Difícilmente sai mais caro do que o táxi tradicional. Emitem sempre fatura, imediatamente disponibilizada por email, e o pagamento é feito pelo cartão registado na plataforma. Sabe-se à partida quanto deverá custar a viagem pelo que evita as burlas vegonhosas que se fazem nos aeroportos...

 

A Uber: Tem normalmente mais viaturas/motoristas disponíveis. Cobra de acordo com uma relação tempo/distância. Não cobra a reserva antecipada. Tem tarifa dinâmica, se houver mais procura o preço aumenta, mas recebemos um aviso antes da viagem.

 

A Cabify: Tem uma frota menor mas fiquei com a sensação que é um serviço mais premium. A frota mais recente e os motoristas muito simpáticos. Utiliza a plataforma Waze para navegação e cobra apenas a distância. Tem uma tarifa mínima de 3,50 Euros e cobra 5 Euros por reserva antecipada. Não consegui apurar se têm tarifa dinâmica. Tenho usado essencialmente esta plataforma.

 

A experiência de viajar nestes fornecedores está a anos luz da de viajar de taxi. A música está boa? Quer que mude? A temperatura está boa? Motorista de fato (muitas vezes). Carro impecávelmente limpro (sempre). Não tem nada a ver... Na cabify chegam a oferecer águas.

Não sendo este o propósito desta análise, se alguém quiser um código para experimentar qualquer um destes serviços mande mensagem que eu envio por email.

A principal desvantagem é não estarem ainda disponíveis em todo o país, estão essencialmente em Lisboa e Porto.

Por outro lado, e apesar de todos os protestos, a oferta tradicional de Taxis decidiu não ficar presa apenas a um modelo do século passado e já tem a sua plataforma, que nunca experimentei mas foi alvo de análise aqui.

 

 

publicado por urreivainu às 15:20
05 de Outubro de 2015

Ontem foi dia de grande alegria eleitoral. Todos ganharam.

- A coligação PAF teve mais votos e elegeu mais deputados.

- O PS reclama vitória ao conseguir que coligação não tenha maioria absoluta, e ganhou importância no parlamento.

- O Bloco de Esquerda teve uma estrondosa vitória, duplicando o número de deputados.

- A CDU teve uma vitória ao eleger mais um deputado….

- PAN, já tinha ganho por ultrapassar a fasquia dos 50000 votos (que dão direito a subenção estatal), ganhou também ao eleger um deputado...

Mas afinal alguém perdeu?

(artigo inpirado nos discursos pós eleitorais. Se fosse pelos semblantes diria que apenas o PAN e o Bloco tiveram efusivas vitórias....)

publicado por urreivainu às 13:06
09 de Setembro de 2015

Chuuuupa IOS!

http://pplware.sapo.pt/smartphones-tablets/android/o-lollipop-esta-finalmente-a-crescer-no-ecossistema-android/

publicado por urreivainu às 15:21
28 de Agosto de 2015

Há uma realidade no mercado* laboral português que muito me entristece e inclusivé revolta. Por essa realidade (e por esta e por esta o meu desagrado e ceticismo estende-se às pessoas que nos governaram nestas últimas décadas, muitos deles com emprego por convite pessoal, seja público ou privado, e que não passam pela realidade de responder a anúncios e dos processos de recrutamento.

A realidade de que falo transparece logo no anúncio de emprego. É normal nos anúncios de emprego nacionais pedir-se uma série de requisitos (o abaixo nem é dos piores), e um perfil que aponta para que o candidato já traga toda a formação necessária (investimento zero ou quase zero na pessoa), uma vez mais o abaixo nem é dos piores… Por outro lado quantas linhas se reservaram no anuncio para o que a empresa oferece? Nenhuma. Zero. Parece que o interesse em aliciar um (bom?) candidato é nulo. Queres assim queres, não queres…. Isto está latente em mais de 90% dos anúncios de emprego portugueses…. Salário? Benefícios? Regalias? Nada… E é uma empresa de “desenvolvimento do indivíduo e no enriquecimento das Organizações”. Olha se não fosse…

 

Assistente administrativo e financeiro (M/F)
xxx- Lisboa

A xxx encontra-se a recrutar um Assistente Administrativo e Financeiro (M/F) para integração na sua equipa.

Somos uma consultora de recursos humanos, focada no desenvolvimento do indivíduo e no enriquecimento das Organizações, por via da melhoria das competências, aquisição da capacitação individual e grupal, e do aumento da eficácia e eficiência dos processos e sistemas organizacionais.

Local de trabalho: Lisboa

Responsabilidades:

- Apoio à Direcção Financeira;

- Expediente geral de escritório;

- Apoio à facturação;

- Apoio no processamento de despesas;

- Suporte na preparação e organização de documentos para envio para a contabilidade;

Perfil:

- Formação na área de Finanças, Contabilidade, Gestão ou outra relevante;

- 2 a 3 anos de experiência profissional em funções semelhantes;

- Conhecimento de software(s) de facturação;

- Autonomia e dinamismo;

- Capacidade de organização;

- Capacidade de análise e raciocínio lógico;

- Orientação para resultados;

- Capacidade de gestão do stress;

- Disponibilidade imediata.

 

*mercado muito imperfeito, cheio de protecionismos, com pouca mobilidade e onde um dos intervenientes tem claramente mais força do que outro...

 

mais sobre o assunto: http://ganhemvergonha.pt/

 

publicado por urreivainu às 15:10
mais sobre mim
Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
pesquisar neste blog